SAÚDE MENTAL UMA NECESSIDADE VITAL!

21 09 2010

Já pensou naqueles atos que faz por repetição ou naquelas condutas que sempre adota mesmo sem vontade de fazê-las?  Se a resposta for positiva você pode estar diante de algum transtorno inconsciente.

A maioria das pessoas sofre e não consegue descobrir o motivo. Muitas outras vivem adotando posturas no automático e quando percebem já repetiram atitudes que gostaria de ter evitado. Não pode parecer nada demais, contudo algumas vezes essas atitudes representam grande sofrimento para o indivíduo de forma a impactar diretamente na sua qualidade de vida.

Acontece de você se desentender constantemente com sua esposa, companheira ou mesmo com algum amigo, e de você após os desentendimentos se perguntar ‘por que estava brigando mesmo? ’ Então você pode estar diante de um transtorno de ansiedade ou um outro tipo de afecção mental.

Não, fique tranquilo que você não é maluco. Todos nós sofremos de alguma forma com as atitudes e postura inconscientes. Uns mais, outros menos. Freud realizou as primeiras observações e até os dias de hoje se constata a necessidade de intervenção. A princípio e de primeira vista é algo que não demanda nossa atenção por ser facilmente resolvível, basta querer controlar e pronto, contudo, a coisa não é tão simples assim e quando resolvemos modificar as condutas terminamos não conseguindo apesar de pensar que a questão seja de fácil resolução, você nunca consegue controlar e termina se irritando ainda mais com a falta de habilidade para lidar com a situação.

Diante de tais questões será necessário dar uma melhor atenção a sua saúde mental, será necessário, por exemplo conseguir um horário na sua agenda sempre apertada, separar um tempo para que possa se tratar e resolver, em primeiro, as questões consigo próprio e, depois, com as demais pessoas que torneiam o seu laço de relacionamento, para que possa melhorar sua qualidade de vida.

No caso há indicação do trato psicanalítico, hipnótico ou de outras terapias, há necessidade de imprimir uma pratica de atividade física regular e, por vezes, a necessidade de prescrição, em trato provisório, de algum ansiolítico ou antidepressivo de acordo com o caso avaliado pelo médico, demandando-se, dessa forma, a submissão por um determinado período, ao aporte multidisciplinar para que se venha a retomar “as rédeas de sua vida”.